30 de dezembro de 2013

Eu não abandonei vocês!

II 14 comentários:




Hey piolhas, tudo bem com vocês?
 Eu estou aqui para explicar o meu sumiço .-.

1° motivo: eu fiquei de recuperação de três matérias.
2° motivo: eu não consegui passar na recuperação de matemática, então eu fiquei de PF (prova final).
3° motivo: depois da prova final eu não fiquei aqui na minha casa, eu fiquei na casa da minha avó e lá não tem internet.

Eu voltei ontem aqui para casa e hoje eu estou aqui me explicando, sei que muitas devem estar bravas comigo, mas por favor não fiquem. Matemática é uma coisa do demônio!
Enfim, eu consegui passar raspando e vou continuar a postar a fic aqui pra vocês. Hoje eu vou viajar pra dar adeus há 2013 e esperar que 2014 seja melhor. Então eu só vou começar a postar a partir da segunda ou terceira semana de Janeiro.

Prometo que vou melhorar e fazer capítulos maiores pra vocês. Me desculpem piolhas?
Que vocês tenham tido um ótimo natal e que o ano novo seja mil vezes melhor, irradiem amor.

2 de dezembro de 2013

Capitulo 65 da #IB & #IBH *-*

II 76 comentários:
Jus: nada por que? –elas se entreolharam e ficaram em silencio- eu tenho uma coisa pra falar pra vocês –ele tenta parecer mais animado e quebrar o gelo-
Demi: o que é?
Miley: ela tá grávida?
Jus: não! Meu Deus... –Demi e a Miley riem, mas o Justin fica um pouco assustado-
Demi: então o que é?
Jus: nós vamos morar juntos.
CA-RA-LHO ... –as duas dizem ao mesmo tempo e ficam boquiabertas.-
Jus: qual é a do espanto? –ele  abre uma garrafa de água e bebe um gole-
Demi: como assim qual é a do espanto? Vocês vão morar juntos e você diz isso como se fossem comprar um novo cachorrinho.
Jus: hum, boa ideia.
Demi: o que?
Jus: a do cachorrinho. –ele ri-
Miley: eu não acredito em você. Acho que você não tem maturidade o suficiente pra fazer isso.
Jus: disse a bêbada que vomitou no meu banheiro.
Miley: cara, você não pode estar falando serio. Eu não acredito.
Demi: nem eu.
Jus: pensem o que quiserem, eu disse a verdade. Se não acreditam em mim, perguntem pra ela.
Demi: é isso mesmo que a gente vai fazer quando ela chegar. –ela olha desconfiada pro Justin-
Miley: falando nisso, onde ela está?

O Justin entra pro quarto e tranca a porta sem responder a pergunta dela. Ele fez o possível para parecer bem humorado. Não deu muito certo mas ele tinha que ficar sozinho. Ele tinha que resolver de uma vez por todas aquilo que o incomodava.  Ele resolveu responder a mensagem.

Jus: eu tenho que fazer isso. A (sn) não pode saber que isso existiu... ela não pode! –ele falou consigo mesmo-

Justin se sentou em cima da cama e pegou o celular. Pensou dez vezes do que iria fazer mas não achou nenhuma saída.



Enquanto isso com você. [...]



Você decidiu entrar em um quiosque perto da praia e tomar uma água de coco. Você já tinha andado bastante e estava cansada e com sede. No seu segundo gole, você escuta alguém gritando o seu nome. Você leva um susto porque a pessoa te abraçou por trás e quase engasgou.

Xxx: cara, não acredito que eu te encontrei aqui mulher! –a pessoa deu uma risada que você reconhecia. Você se virou pra trás para ver quem era-
 Você: Cat? Meu Deus, Cat! –você sorri-
Cat: e quem mais seria? –ela sorri de volta-
Você: o que você está fazendo aqui? Como me achou? Por que não veio junto com as meninas pra cá? Nossa, que saudade! –você se levanta e abraça ela-
Cat: está certo, uma coisa de cada vez. Eu vim tomar um banho de mar antes de ir encontrar vocês. Ah, te vi andando pra cá. Eu tinha que resolver algumas coisas mas isso não quer dizer que eu não estava preocupada com você. Eu também estava com saudades, por isso eu vim o mais rápido que eu pude.
Você: tudo bem, eu estou feliz por você ter vindo.
Cat: elas me informaram de tudo durante esse tempo que eu fiquei fora. Me conte direito essa história da boate e o porque você decidiu fugir. Você tem algum problema? Não pensou em como nós ficamos preocupadas contigo?
Você: foi mal, eu tinha que fazer aquilo. Aconteceram muitas coisas e essas foram as consequências. Eu vou te contar tudo, mas eu não posso ficar muito tempo, eu vou encontrar um amigo agorinha. Mas já que você ia se encontrar comigo depois vamos pro hotel onde e estou.
Cat: pode ser. Acho que vou ficar aqui por uns tempos, o que você acha?
Você: acho que vai dar pra colocar o papo em dia –você ri- ah, a Miley e a Demi estão junto comigo e o Justin no hotel... –você faz uma pausa quando fala o nome dele porque se lembra da briga que tinha acabado de acontecer- e tipo, você pode ficar com a gente lá.
Cat: legal. Você parece estar meio triste, o que foi? –você dá um longo suspiro e responde depois de algum tempo-
Você: eu te conto no caminho pode ser? Vamos pro hotel, acho que até chegarmos lá eu consigo te explicar um pouco das coisas que estão acontecendo comigo e com o Justin.
Cat: dá pra ver que é serio, eu posso te ajudar ok? Se precisar eu estou aqui.

Vocês duas vão conversando entro do carro a caminho do hotel. A Cat não falava quase nada só ouvia você contar o que nem você mesma estava entendendo direito. Você disse sobre os telefonemas, de como o Justin estava mudando com você e como ele tinha sido grosso da ultima vez. Também contou da casa que ele comprou e que ficou com medo dele te pedir em casamento. O Hugo não apareceu na sua história.

Quando vocês chegaram no hotel a Miley e a Demi ficaram eufóricas quando a Cat entrou junto com você, isso já era de se esperar. Vocês quatro juntas de novo, isso te trazia muitas lembranças boas e ruins também.

Você se lembrou de como era lá na Disney de como foi tumultuoso o seu relacionamento secreto com o Justin no começo e da forma engraçada de como você tinha conhecido a Demi, Miley, e a Caitlin. Apesar de você ter entrado em coma, foram momentos que você nunca se esqueceria. Até se lembrou do Ryan de do Chaz, eles tinham sumido, não entravam mais em contato com o Justin por um motivo que você ainda desconhecia. E também tinham os Jonas, que de alguma forma, também estavam afastados de você e do Justin.

Pensando por esse ângulo, quase todos tinham se afastado de você. E isso ficou pipocando na sua cabeça por um bom tempo.

Depois que você entrou com a Cat no quarto de hotel vocês quarto colocaram a metade do papo em dia, você só parou a conversa porque tinha algo pra fazer. Então você foi pro quarto, onde o Justin estava. Você entrou e ele estava deitado com o celular na mão mas sem olhar para o aparelho. Ele parecia distante e confuso, um tanto bravo e estranhamente diferente. Até tentou sorrir quando você apareceu mas não conseguiu quando você o ignorou logo ao entrar no quarto.

Jus: oi. –ele se levanta da cama e vai em sua direção-

Você apenas pega suas roupas e entra no banheiro sem dizer uma palavra se quer. Não queria brigar de novo e nem ouvir mentiras, você estava cansada disso. Ele e você sempre foram tão sinceros um com o outro e você não entendia o motivo dessa mudança. Não entendia o porque os seus amigos tinham se afastado e nem porque o seu pai de repente tinha virado o seu inimigo. Não entendia o porque a sua mãe e a Pattie não concordavam mais com o seu namoro. Não entendia a sensação que você sentia perto do Hugo, era como se sua vida voltasse ao normal perto dele e quando ele estava longe ela volta a ser um caos. E você não entendia o porque o Justin não conseguia te fazer sentir assim, pelo menos, não mais.

Tudo era difícil pra você. Porra, você só era uma adolescente e estava odiando crescer. Existem muitos problemas na vida real, você preferia voltar a ler as fics do Justin e imaginar a sua vida perfeita com ele. Mas infelizmente isso não era mais possível. Você tinha realizado o seu sonho e mesmo assim não estava completamente feliz, como isso podia estar acontecendo?

Não, isso não estava acontecendo. Ah, pelo amor de Deus! Isso era só uma fase, com certeza iria passar e você iria rir disso tudo depois.

Você ficou alguns minutos com a cabeça de baixo da água e quando terminou vestiu as suas roupas no banheiro mesmo. Não queria se trocar na frente do Justin, ele podia fazer alguma coisa que eliminaria a sua raiva e a sua razão. Você só iria falar com ele se fosse algo a ver com os telefonemas que ele andava escondendo. Ao sair do banheiro ele ainda estava sentado na cama olhando para a porta esperando você sair nua, mas você estava vestida.

Jus: isso não é legal, eu fiquei esperando esse tempo todo pra você me aparecer aqui vestida? –ele tenta uma piada sem sucesso- ainda está brava comigo?

Você pega a sua bolsa passa um batom e se direciona para sair do quarto.

Jus: posso pelo menos saber a onde você vai? –ele fica te olhando do cantinho do quarto frustrado-
Você: eu acho que eu não preciso te informar sobre isso, já que você tem os seus segredinhos, por que eu não posso ter os meus? –você bate a porta ao sair do quarto-

Você leu a mensagem que o Hugo tinha acabado de te mandar avisando que ele estaria na estação de trem. Mas o que ele estava fazendo lá e por que queria que você fosse também? Você se perguntou e pegou as chaves do carro, estava com uma boa sensação sobre isso.



Enquanto isso com o Justin [...]



Porque eu faço tantas burrices? Eu vou perder ela. Eu não quero perder ela. Eu não vou deixar esse amor acabar, eu dou a minha vida por ele e ele vai sobreviver. Eu sei que vai. Droga, por que eu só não consigo contar pra ela o que está acontecendo? Por que eu sou tão covarde? Ele pensou.

Justin tomou um banho e se vestiu, ele queria resolver tudo aquilo hoje mesmo. Ele tinha que fazer isso, não aguentava mais te ver sofrer. Ele não aguentava mais sofrer, não aguentava mais mentiras. Tudo tinha que se esclarecer e você tinha que saber da verdade. Ele estava mentindo pra si mesmo tentando se enganar, mas isso acabou. Ele queria que isso acabasse.

Quando de terminou de se arrumar e ia sair do quarto, as suas pernas simplesmente não se mexiam, seu coração poderia estar quase pulando para fora do peito se não estivesse todo cheio de feridas precisando ser cuidadas. Só por você elas poderiam se cicatrizar. Ele sabia das consequências e estava disposto a ariscar tudo, mas lá no fundo, bem lá no fundo, ele achava melhor deixar isso como estava, para o bem de ambos. E foi essa parte dele que o dominou na hora de sair por aquela porta e acabar com o seu sofrimento. Foi essa parte que o fez voltar pra cama mesmo sabendo que você estava com o Hugo. Foi essa parte de seu infeliz, e obscuro interior que, o fez chorar e que o lembrou que ele estava te perdendo.


Na estação de trem [...]

Hugo: oi.
Você: oi. O que viemos fazer aqui?
Hugo: conversar e andar de trem. Não era isso que você queria?
Você: sim, menos a parte do trem.
Hugo: mas essa é a minha parte da história. Eu não tenho carro e nem dinheiro pra te levar há algum lugar pra conversarmos. Então eu pensei em vir aqui e andar de trem enquanto você me conta o que houve.
Você: podemos ir no meu carro se quiser.
Hugo: de jeito nenhum.
Você: você pode me explicar o motivo?
Hugo: não.
Você: quanto mais eu rezo mais doido me aparece.
Hugo: anda, eu quero pegar um trem que um velhinho sempre pega. Quero te mostrar ele tocando, é tipo, muito massa.
Você: e onde entra a parte que eu conto pra você os meus problemas?
Hugo: calma, ainda temos a noite toda pra isso. O trem só para amanha de manha e se você quiser, podemos conversar até o sol raiar. Nossa... isso rimou. –ele ri e você também-
Você: besta.

Vocês esperam o tal trem que ele queria pegar e nesse pouco tempo só o que deu pra você contar foi que o seu problema era com o Justin. O Hugo não se esforçou para esconder sua surpresa quando você disse aquilo.

Hugo: então o relacionamento perfeito está imperfeito?
Você: sem piadas tá? Isso é serio.
Hugo: mas eu disse alguma mentira?

Você fica em silencio e pensa um pouco. Não, você não disse nenhuma mentira, você falou consigo mesma. O trem chega e vocês dois entram.

Hugo: então... isso quer dizer que você quer terminar com ele? –ele disso isso tão diretamente que te assustou um pouco-
Você: não! Claro que não!
Hugo: então por que você me chamou pra conversar sobre isso?
Você: não sei.
Hugo: acha que uma pessoa que já gostou de você é boa em te dar conselhos sobre o seu atual namorado? –reparem no ´´uma pessoa que JÁ gostou de você´´-
Você: eu... não sei.
Hugo: tá, mas o que você acha que causou isso tudo entre vocês dois?
Você: não sei.
Hugo: só sabe dizer isso?
Você: na verdade... sei lá, eu não sei. –vocês dois riem-
Hugo: não sei o que dizer.
Você: talvez seja porque eu ainda não contei a história e você já está dando suas opiniões.
Hugo: ah, é verdade, pode contar então. –ele fica vermelho percebendo deixou transparecer o nervosismo dele sobre isso-
Você: bom, tudo começou quando eu quis ir dormir com as meninas e ele se zangou. Mas até ai tudo bem. Ai, veio a ligação misteriosa no banheiro e o sms...

Vocês conversaram e o Hugo te escutou e parecia estar prestando atenção em tudo que você estava falando. Você contou sobre como ele te tratava antes e como ele estava te tratando atualmente, de como os amigos dele se afastaram e por algum motivo se afastaram de você também, e de das constantes trocas de humor de feliz para: estúpido, grosso, irritado, mentiroso de carteirinha, bravo e sem noção. Ele riu e disse que ele parecia estar de TPM, você ignorou isso e continuou a falar.
Depois que você terminou ele te olhou por alguns segundos esperando você falar mais.

Hugo: é só isso?
Você: sim.
Hugo: serio?
Você: é poxa, o que você acha?
Hugo: eu acho que todos os relacionamentos passam por isso, é só uma fase. Você se preocupou com pouca coisa.
Você: você acha mesmo isso?
Hugo: dá parte de ele estar estranho com você, que pelo o que eu vejo é o que mais te incomoda, é só isso. Mas a história dos telefonemas está estranha. Ele pode estar com outra, mas ele acabou de comprar uma casa pra vocês dois, então isso não faz sentido. Se ele tivesse com outra ele não teria comprado uma casa pra vocês morarem juntos.
Você: eu ainda não tinha pensado nisso.
Hugo: isso é estranho, não faz sentido. Eu não entendo o motivo pra ele te tratar assim.
Você: bem vindo ao meu mundo.

Ele passa alguns instantes sem dizer nada, parecia que estava pensando em algo. Na verdade, superconcentrado em algo.

Hugo: e se... e se o problema não for ele? –ele disse te olhando-
Você: como assim?
Hugo: e se o problema for... tipo... você?

Continua? 30 comentários.



Hey coisinhas da minha vida, de boa?
Agora é exatamente 04:28 da manha de terça feira, e advinha o por que eu to postando o capitulo esse horário?
Isso mesmo piolha, eu estou em provas e eu não quero ficar de recuperação. (mas provavelmente eu vá ficar de matemática, mas isso não vem ao caso).
O capitulo ta pequenininho, eu sei. Mas é que eu to caindo de sono e com uma dor de cabeça do caralho e isso foi o máximo que eu pude fazer.
Não vou ficar chateada se eu não conseguir o numero de comentários que eu pedi porque esse capitulo pode estar uma bosta. Eu nem re-li ele. Só pra deixar claro se tiver muitos erros de português. Eu to quase morrendo aqui, então beijo na bunda peluda de vocês.


Motivo do atraso: EU TO EM PROVAS GALERA, E TALVEZ EU VOU FICAR DE RECUPERAÇÃO E SE ISSO ACONTECER EU NÃO VOU PODER NEM TOCAR NO MEU NOT. ESTÃO AVISADAS.

26 de novembro de 2013

Capitulo 64 da #IB & #IBH *-*

II 47 comentários:


Você: eu não quero me casar com você... eu não estou pronta pra isso. –você finalmente consegue dizer alguma coisa- eu só... não estou pronta... me... me desculpa. –uma lagrima percorria a sua face enquanto você procurava equilíbrio no meio daquelas cordas bambas onde você parecia estar pisando-

Sm: alguém poderia por favor me dizer o que é está acontecendo aqui? Num minuto eu estou numa mansão ouvindo bobagens e no outro minha filha é pedia em casamento?

Pattie: e você espera que eu concorde com isso Justin?

Jus: uou, mas quem é que foi que disse que isso aqui é um pedido de casamento? –ele ri-

- e não é? –vocês três dizem isso ao mesmo tempo-

Jus: é claro que não, vocês acham mesmo que se fosse eu iria precisar da permissão de vocês?

Pattie: ué, claro que sim!

Jus: mãe, se fosse isso, eu estaria no meio no oceano ou em algum lugar muito incrível e somente eu e a (sn). Nada de vocês duas. E, se caso vocês não concordassem nós nos casaríamos do mesmo jeito.

Você: mas... se não é um pedido da casamento o que é isso tudo então? –você vai ficando aos poucos mais calma-

Jus: essa casa agora é minha, quer dizer, nossa.

Sm: como assim nossa? –sua mãe perguntou confusa-

Jus: eu e a (sn) vamos morar aqui juntos, se ela concordar, é claro. E eu queria dizer isso pra vocês duas primeiro –ele aponta pra Pattie e pra sua mãe- porque sei lá, eu achei que era o certo a fazer.

Você: e aquilo que você estava procurando no bolso, era o que?

Jus: ah, isso? –ele pega o objeto- é a chave da nossa casa.

Patiie: então você me trouxe aqui pra avisar e não pedir permissão para morar junto com ela?

Sm: faço as palavras da Pattie as minhas.

Você: mas eu não... eu não sabia de nada!

Jus: eu queria fazer uma surpresa pra todas. Nossa, você pensou mesmo que nós iríamos nos casar?

Você: bom... sim. Mas era o que parceria uai.

Jus: eu acho que somos muito jovens e o casamento é muita responsabilidade pra nós dois, eu acho melhor esperarmos, não acha? –ele olha pra você-

Você: sim, claro! Acho sim. –ele te olhou meio desconfiado mas logo depois desviou o olhar-

Sm: mas se vocês não iam precisar da nossa permissão, então porque nos trouxe até aqui?

Jus: como eu disse, eu queria que vocês duas fossem as primeiras a saber. Mas vamos ao que interessa, (sn) você vai querer morar aqui comigo? –ele te olha esperançoso-

Você: sim, claro que eu quero. –você sorri aliviada-

Morar junto com o Justin podia ser um passo grande mas você conseguia dar esse passo. Diferente do casamento, que era um passo muito maior e que as suas pernas ainda não podiam alcançar. Claro que morar junto não deve ser nada fácil, é um tipo de teste drive do casamento, se você gostar você se casa, mas se não der certo, não adianta nem tentar casar. Sua mãe e a Pattie ficaram um pouco aliviadas também, já não queriam vocês dois juntos, imagina casados?

Porem elas ainda não concordaram muito bem com essa coisa de morar juntos, sua mãe veio com uma história de gravidez precoce enquanto a Pattie falava sobre o que as Beliebers iam achar disso pro Justin. Nada disso mudou a opinião do Justin e muito menos a sua. Vocês se amavam mais do que tudo, e já estava na hora das coisas darem certo entre vocês dois, e dessa vez, sem o intrometimento de ninguém.

Você e o Justin queriam a partir de agora começar a construir uma vida a dois onde a companhia um do outro já basta.

Depois de mais um pouco de conversa sua mãe, a Pattie, o Justin e você foram embora. Vocês dois se mudariam hoje mesmo para a mansão mas ainda precisavam resolver algumas coisas com a Miley e a Demi. Após deixar sua mãe na sua casa, ela perguntou se você não queria ver o seu pai, e a sua resposta foi não, como sempre seria até o orgulho dele parar de falar mais alto. O Justin deixou a Pattie no shopping e depois vocês voltaram pro hotel.

Dentro no carro você não sabia muito bem o que falar com ele, você estava feliz por ele ter tomado essa iniciativa mas do mesmo jeito era estranho.

Jus: então...

Você: então...? –você olhou pra ele-

Jus: você está bem?

Você: acho que sim, um pouco surpresa, mas estou bem.

Jus: se sente pronta mesmo pra isso?

Você: sim. Você não?

Jus: era o que eu mais queria. Acho que desse jeito as coisas vão ficar um pouco mais serias entre a gente. –vocês dois se olharam e riram disso-

Você: serias entre a gente? Está brincando com a minha cara né?

Jus: o que é? Eu só acho que...

Você: desista Justin, o nosso relacionamento não é uma coisa seria. Não temos responsabilidade nenhuma, fazemos o que bem entendemos, transamos onde queremos e além disso, somos muito idiotas e imaturos para ter algo serio. E também, deve ser chato ter um relacionamento sem emoções. Eu gosto assim, como a gente é sabe? –ele diz que sim com a cabeça- Mesmo com toda essa imaturidade a gente se ama e eu acho que é isso que importa, não precisamos rotular isso. Tipo: um namoro, um noivado, ou um casamento. Somos o que somos e pronto. Você não acha?

Jus: acho que você está certa, como sempre –ele sorri- eu te amo.

Você: eu sei.

Jus: é nessa parte que você diz ´´eu também te amo Justin´´ -ele afina a voz tentando te imitar-

Você: ei, eu não falo assim idiota! –você dá um tapinha nele-

Jus: não, você fala exatamente assim.

Você: não falo não.

Jus: fala sim.

Você: não.

Jus: sim.

Você: não!

Jus: sim, você fala.

Você: vai se fuder Justin. –você ri-

Jus: que tal irmos juntos?

Você: serio? Aqui?

Jus: e por que não?

Você: não sei, talvez é porque a gente está no meio da cidade e dentro do carro.

Jus: isso facilita muito as coisas minha cara.

Você: como assim?

Jus: já temos o carro, não precisamos pagar um motel vagabundo.

Você: nisso você tem razão, mas ainda estamos no meio da cidade.

Jus: então vamos pra outro lugar ué.

Você: mas e a Miley e a Demi? Nós não íamos avisar a elas sobre a nova casa e tal?

Jus: dá pra parar sua chata? Deixa o resto pra depois.

Você: ok, foi mal.

Jus: tenho um lugar em mente, não é muito longe daqui e não fica no centro da cidade, e já que estamos com o carro então...

Você: o que você está esperando Jus? Vamos logo. –ele sorri e acelera o carro-


O Justin te levou pra um estacionamento perto de uma praia e não tinha nenhum carro estacionado lá, por incrível que pareça.



Você: nossa, que vazio aqui, tipo... pra um estacionamento perto de uma praia.

Jus: eu sei, e foi por isso que eu vim pra cá. É perto da praia mas quase ninguém deixa o carro aqui.

Você: por quê?

Jus: porque é mais fácil deixar o carro na estrada do lado da praia do que aqui. As pessoas não gostam de andar muito e a estrada é mais perto da praia, isso quer dizer que, esse estacionamento que era pra estar sempre cheio, vive deserto e a maioria das pessoas nem sabe da sua existência. Porque como eu já disse isso aqui nunca tem ninguém, diferente da estrada que tem lojas e restaurantes. Entendeu?

Você: aham. –você fica olhando o quanto ele é lindo explicando as coisas numa tarde de calor como estava hoje, com o sol refletindo em seus olhos com o mar logo atrás-

Jus: o que foi? Porque está me olhando assim?

Você: você é lindo sabia?

Jus: sabia.

Você: idiota. –ele ri-

Jus: quer dar um mergulho? Está bem quente.

Você: é, acho que seria legal. Mas a praia deve estar bem cheia e eu não quero pessoas olhando o que estamos fazendo e nem paparazzi tirando fotos de cada movimento que damos.

Jus: eu também não, porém, eu conheço um canto da praia que quase ninguém vai.

Você: é muito longe?

Jus: não, na verdade, é aqui mesmo.

Você: então estamos num estacionamento que ninguém utiliza e ao mesmo tempo numa parte da praia que ninguém vem. Eu já estou ficando um pouco insegura de sair do carro.

Jus: por quê? Isso aqui é o paraíso, e o melhor, é só para nós dois.

Você: tipo, deve ter um motivo pra ninguém utilizar essa parte.

Jus: e tem. –ele tira a camisa-

Você: e qual é?

Jus: aqui não tem ninguém, e nenhum tipo de comercio. É deserto. As pessoas normais não gostam de sair de casa pra não ver ninguém, e não precisam de privacidade que nós precisamos porque não ficam o tempo todo cercadas de malditos paparazzi. As vezes eu acho que elas não sabem apreciar a privacidade que elas tem. –ele sai do carro- eai, você vem ou não?

Você: vou, mas eu não trouxe roupa de banho.

Jus: e quem disse que você vai precisar delas? –você ri e sai do carro-


Vocês dois saem correndo pra areia em direção a água, nem você e nem o Justin tiram as roupas ainda por receio de ter algum paparazzi ali. Quando vocês chegam ao mar ele te beija e te carrega, te levando de roupa e tudo para a água. Ele brinca com você até te jogar na água. Pra sua sorte a água estava bem quentinha. Antes mesmo de você se levantar e sair com a cabeça pra fora a água o Justin te procura e te beija em baixo d’ água.



Você: nossa, muito obrigada!

Jus: eu sei que você gostou. A água ta tão quentinha. –ele balança a cabeça de um lado para o outro, tirando a água do cabelo-

Você: você parece um cachorro assim, se sacudindo pra tirar a água dos pelos. –vocês dois riem-

Ele vai até você e tira uma mecha de cabelo que caia no seu rosto, com vocês dois já bem juntinhos, você o abraça forte. Caralho, eu amo mesmo ele, você pensou.
O Justin sorriu como se tivesse ouvido o que você acabara de pensar. Você sorri de volta pra ele e o beija.

Os beijos de mar tem outro sabor, como a água é salgada o beijo fica agridoce, já que os lábios do Justin são docinhos. Ele puxou o seu lábio inferior quando você tentou parar o beijo e puxou também o seu short para baixo, quase tirou ele por completo.

Você tentou falar pra que vocês voltassem pro carro para fazer isso, mas o Justin parecia que não podia esperar mais nenhum minutinho se quer. A cada palavra que você dava ele te interrompia com um selinho.
Então a frase saiu mais ou menos assim: Justin... vamos... o carro.... porque... Justin!... para... –uma risada- Jus... vamos pro... lá... é ... melhor... droga... deixa eu falar! –ele te olhou e voltou a te beijar- eu.. desis...to.

Então você desistiu porque viu que ele não ia parar com aquilo até você parar de falar. Ele sorriu quando você ficou com uma cara de raiva e logo depois voltou a te beijar. A mão boba dele começou a agir, dentro da água ele quis abrir o seu sutiã e tirar o seu short e sua calcinha mais de cinco vezes.
Nem você estava mais conseguindo se controlar. Você queria transar mais não ali no mar, mesmo que ali não fosse muito frequentado alguém podia aparecer e ver vocês dois transando. As vezes parecia que você se preocupava mais com a carreira do Justin do que ele mesmo.

O que as Beliebers irão dizer? Você ouvia sua consciência e a Pattie dizendo isso.


Jus: (sn), você não quer? É isso? Porque se for, tudo bem. –ele te olhou meio confuso-

Você: não é isso Jus, é que aqui pode ter alguém e eu não me sinto confortável com essa ideia. Entendeu?

Jus: mas não tem ninguém aqui. –ele ri-

Você: eu sei, mas pode aparecer. Tipo, pode ter um paparazzi escondo em algum lugar e tirar fotos que possam comprometer você depois. E ai sua mãe vem culpar a quem? Você é que não é.

Jus: tá, tá. Já entendi. Vamos pro carro então? –ele pareceu ficar meio chateado-

Você: não fica bravo ok? Eu só acho mais confortável.

Jus: tudo bem.


Ao chegar no carro o Justin abre o zíper da calça e você começa a tirar a sua blusa, vocês se entreolham e sorriem um para o outro. O celular do Justin toca, era uma mensagem de texto. Como ele já tava quase sem nada e você ainda tinha que tirar toda a sua parte de baixo, ele olhou o que era. O sorriso deu lugar a um olhar sombrio, que você nunca tinha visto no rosto do Justin, você até se assustou um pouco. Ele olhou pra você mas desviou o olhar em fração de segundos.


Você: o que foi? O que aconteceu?

Ele não respondeu nada e o silencio reinou entre vocês dois no carro. Ele fechou o zíper da calça e sem nem ao mesmo te olhar disse uma desculpinha que nem de longe você acreditou.

Você: Justin, o que aconteceu? –você repetiu-

Jus: nada, por que? Só me deu uma dor de cabeça agora de repente. –ele foi indo pro banco de trás do carro e você foi atrás- não, fica ai.

Você: como assim? –você  disse voltando pro banco da frente-

Jus: será que dá pra você dirigir até o hotel? Eu não to me sentindo bem.

Você: mas...

Jus: foi mal (sn). A noite eu te recompenso por isso, pode ser? –ele se deita no banco e fecha os olhos com força, como se olhar pra você doesse-

Você: está de brincadeira não é? –ele diz que não com a cabeça- Você ficou ruim de uma hora pra outra Jus? Você me trouxe pra cá e agorinha mesmo estava me jogando de roupa e tudo na água, me seduz e agora não está se sentindo bem?

Jus: sem perguntas, por favor. Eu não quero... eu não... –ele suspira- eu não quero tornar isso mais difícil do que já é.

Você: do que você ta falando?

Jus: nada demais. Você vai dirigir de volta pro hotel?

Você: quer saber? Eu to de saco cheio disso, está bem? Eu sei, quer dizer, eu sinto que você ta escondendo algo de mim e por mais que eu te pergunte o que é você nunca me conta. Quando é que nós ficamos assim? Cadê o eu vou te amar para sempre pequena como você dizia antes? Cadê a sinceridade que nós tínhamos um com o outro?

Jus: eu só preciso que você dirija de volta pro hotel droga! Só isso. É pedir demais pra você (sn)? Você sempre você fica fazendo essas perguntas, será que você não pode se calar por um segundo? –ele coloca a mão na cabeça- droga! Droga! DROGA! –ele grita-

Você fica sem palavras. Quem era aquele homem que estava na sua frente? Porque, com certeza não era o Justin que você conhecia.

Jus: eu já disse que eu estou com dor de cabeça e também que mais tarde eu vou te recompensar. Pra que tudo isso?

Você: eu não sei se você já ouviu isso mas, quem ama cuida sabe? Quem ama confia. Independente do que for Justin. E eu achava que nós tínhamos isso, mas vejo que eu estava enganada. De uns tempos pra cá você não tem sido totalmente sincero comigo, sempre se desviando de perguntas que são tão simples de ser respondidas quando a verdade é dita. Então –você disse segurando uma lagrima- quando você decidir parar de brincar de casinha e retornar a realidade e perceber que eu tenho sentimentos, e que talvez as suas palavras e suas atitudes me machucam, nós voltamos a conversar. Eu já tinha dito isso antes eu acho, mas você me convenceu do contrario e eu decidi acreditar em você.

Jus: (sn)...

Você: mas aqui estamos nós, no mesmo ponto de antes. –você o interrompeu- serio, será que é tão difícil assim você compartilhar o que está havendo comigo? –ele ficou em silencio-


Você fica o encarando esperando ele dizer alguma coisa, mas ele não diz nada. Então você resove sair do carro e ir pra qualquer lugar onde ele não estivesse. 
Você desejou com todas as suas forças não ter pedido pra voltar pro carro e ter ficado com ele na praia.

´´Você sempre você fica fazendo essas perguntas, será que você não pode se calar por um segundo?´´

Essas palavras que o Justin disse ficaram ecoando na sua cabeça por um bom tempo. Você decidiu ir andando para a parte mais movimentada da praia, ficar sozinha em uma hora como essa não parecia ser uma boa ideia. Você precisava de alguém. Mas não de qualquer pessoa, de alguém que fosse te ouvir, não te dar conselhos baratos. De alguém que te conhecesse e conhecesse o Justin pra te explicar o que estava acontecendo com vocês. Te explicar o motivo dele estar tão distante e sempre querendo inventar alguma coisa pra ficar longe de você.
Bom, na sua mente você só conseguia pensar em uma pessoa. Hugo.

Você mandou um sms pra ele assim:

Oi, como você está?
Bom, pra ser sincera eu estou te mandando esse sms pra te pedir ajuda. Será que você poderia me encontrar no shopping ou em qualquer outro lugar hoje mais tarde? Eu estou com problemas Hugo.

PS: isso não quer dizer que eu já perdoei tudo o que você fez, só pra deixar claro.


Você se sentiu meio tola ao escrever a ultima parte da mensagem, mas quando foi pensar que talvez seria meio ridículo estar pedindo a ajuda dele e logo depois o condenando pelo passado, a mensagem já tinha sido entregue. Você até deu uma risadinha porque ele com certeza iria mandar algo sobre aquilo. A resposta veio bem rápido, menos de 3 minutos.

Eu to bem coisa, apesar de eu já saber que você não vai se importar muito com isso. Eu tinha planos, mas já os desmarquei. Te vejo mais tarde.

PS: eu sei que você não vai me perdoar tão cedo, eu não sou idiota. Eu te conheço bem, e até sei que você só quer me usar hoje pra te ouvir e depois me esquecer de novo, mas tudo bem.

OBS: ok, talvez nessa parte eu seja um pouco idiota.



Só o Hugo pra te fazer rir mesmo. Já que você ia ter alguém pra conversar mais tarde sobre isso, você relaxou mais um pouco. Decidiu entrar em um quiosque perto da praia e tomar uma água de coco. Você já tinha andado bastante e estava cansada e com sede. No seu segundo gole, você escuta alguém gritando o seu nome. Você leva um susto porque a pessoa te abraçou por trás e quase engasgou.

Xxx: cara, não acredito que eu te encontrei aqui mulher! –a pessoa deu uma risada que você reconhecia. Você se virou pra trás para ver quem era-


Enquanto isso com o Justin [...]



Ele estava estressado e magoado com si mesmo. Acho que pisei na bola e fui grosso com ela, ele pensou.

Depois de alguns minutos que você saiu do carro ele foi te procurar mas não te achou. Ele chutou uma lata de lixo vazia e entrou no carro furioso.

Jus: droga de sms. –ele sussurrou pra si mesmo-

Ele foi pro hotel direto, não queria ficar nem mais nenhum momento naquele lugar. Nem deveria ter levado você ali, e deu no que deu. Agora ele só queria dormir e esquecer de todos esses problemas. Ele odiava brigar com você, ainda mais se ele fosse o motivo da briga.

O Justin chegou no hotel e logo a Miley e a Demi vieram com o interrogatório, ele se segurou o máximo que pode para não deixar transparecer que estava mal.


Miley: onde vocês dois se meteram o dia todo? –ela olha por cima do ombro dele- ué, cadê a (sn)?

Jus: virou minha mãe agora Miley?

Miley: credo! Eu só estava perguntando grosso.

Demi: a gente estava preocupada com vocês, nem me avisaram que iam sair. –ela disse entrando na sala- cadê a (sn)?

Jus: que merda! Ela não está aqui ok?

Demi: tudo bem estressadinho, calma ai. O que houve?

Jus: nada por que? –elas se entreolharam e ficaram em silencio- eu tenho uma coisa pra falar pra vocês –ele tenta parecer mais animado e quebrar o gelo-

Demi: o que é?

Miley: ela tá grávida?

Jus: não! Meu Deus... –Demi e a Miley riem, mas o Justin fica um pouco assustado-

Demi: então o que é?

Jus: nós vamos morar juntos.

CA-RA-LHO ... –as duas dizem ao mesmo tempo e ficam boquiabertas.- 



Continua? 30 comentários.


Hey piolhas, tudo bem com vocês?
 Desculpa pela demora meninas, mas a culpa não foi minha.
Bom acho que vou fazer um capitulo bônus pra vocês, se tiver os 30 comentários até sábado eu posto um novo capitulo ok? Divulguem a fic pra ajudar a aumentar os comentários.



Obs, motivo do atraso: EU TAVA SEM INTERNET NEGADA, EU TENTEI POSTAR PELO MOBILE MAS DAVA ERRO E ERA UMA BOSTA CAGADA PRA CARREGAR AQUELA PORRA (meu celular é de pobre, porque eu sou pobre '-') ME DESCULPEM MAIS UMA VEZ TÁ? SERIO, ME DESCULPEM PIOLHAS.